sábado, novembro 12, 2011

De castigo


Por quanto tempo ainda deixar andar,
Uma magoa que não tem sentido
Que não tem pé, nem razão de ser.